Categorias: Pediatria

Febre

Um dos principais motivos das consultas pediátricas, no consultório, pronto-atendimento e até por mensagens, é a presença de FEBRE nas crianças.

A febre é um SINAL, ou seja, aparece para mostrar que algo está acontecendo ou estar por vir alguma coisa. É um sinal inflamatório, assim como a dor (de ouvido, de garganta) e, na maioria das vezes, acompanha os quadros infecciosos.

Informações importantes

  • Febre: temperatura maior ou igual a 37,8º • Quando medicar: se a criança estiver se sentindo BEM, peço para esperar os 37,8/38º para dar o antitérmico. Por ser uma reação inflamatória, seu papel é recrutar as células de defesa para combater a infecção que está começando. Em crianças que apresentam convulsão febril, recomenda-se medicar antes dessa temperatura para tentar evitar um novo episódio.
  • Falando em convulsão, não é a temperatura alta que causa a convulsão e sim, a velocidade que ela sobe. A convulsão ocorre em indivíduos predispostos (é muito comum a história familiar) e, apesar de muito assustador, é um quadro que não traz seqüelas neurológicas. Infelizmente, só sabemos quem tem convulsão após acontecer, não é algo previsível ou que se pode prevenir.
  • Por que os médicos pedem para esperar 48/72 horas de febre antes de examinar? Na maioria dos casos, neste intervalo de tempo, irá aparecer o motivo que está causando a febre. Seja um resfriado, um quadro intestinal, estomatite, doenças exantemáticas. Se examinamos a criança muito no começo, geralmente ainda não temos nenhuma pista! A criança precisa ficar em observação, ou seja, ficar em casa com a mãe ou cuidadores, manter hidratação adequada e procurar o medico se aparecer um sinal de alerta.
  • Quando não esperar esse tempo: criança com queda do estado geral (caidinha mesmo sem febre), BEBÊS pequenos (menores de 6 meses), febre alta e persistente, diminuição da diurese (xixi), presença de manchas no corpo, vômitos em jato e quando seu coração mandar!
  • Qual medicação usar: antitérmicos, SEMPRE COM ORIENTAÇÃO do seu pediatra.

Leia também: Pronto Atendimento: quando levar seu filho

Gostou? Compartilhe! facebook twitter pinterest

Deixe seu comentário!